Advertisement
Início arrow Notícias arrow Gerais arrow Programa Computador para Todos busca promover inclusão digital com venda de máquinas mais baratas
26 de novembro de 2014
 
 
Programa Computador para Todos busca promover inclusão digital com venda de máquinas mais baratas PDF Imprimir E-mail
19 de julho de 2005
ImageO Programa "Computador para Todos" pretende promover a inclusão digital com a venda de máquinas mais baratas à população.
O assessor especial da Presidência da República e coordenador do programa, Cezar Alvarez, explicou a empresários do setor, em São Paulo, como o governo federal planeja implementar o projeto, que está previsto na chamada MP do Bem e aguarda votação no Congresso.

Alvarez explicou que o programa oferece isenção de impostos e linhas de financiamento. A primeira medida foi para baratear o preço final dos microcomputadores na faixa de até R$ 2.500, com isenção fiscal de PIS e Cofins (9,25%), medida já em vigor que valerá até 31 de dezembro de 2009.

Agora, segundo Alvarez, o governo pretende iniciar um programa de linhas de financiamento para ajudar o cidadão a comprar o computador. O coordenador do projeto citou três formas. A primeira é a ampliação do valor do Microcrédito Empreendedor de R$ 1.000 para R$ 1.200. "O que já está em estudo no Conselho Monetário Nacional (CMN), ligado ao Ministério da Fazenda", disse.

O segundo modo é o financiamento da compra de computadores de até R$ 1.400. Primeiramente, para o financiamento direto aos correntistas dos bancos públicos federais, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Para esse modo, Alvarez disse que o Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) já aprovou uma linha de R$ 250 milhões e uma taxa de abertura de crédito de no máximo de R$ 60, com juros a 2% ao mês. Isso, segundo ele, alcançará cerca de 80% dos correntistas, que terão um crédito pré-aprovado para compra dos computadores de até R$ 1.400.

Finalmente, segundo Alvarez, o governo estruturou uma forma de alcançar os possíveis compradores através de recursos do BNDES, que não faz financiamento direto aos cidadãos. O banco disponibilizará recursos para o comércio que faz a revenda, consignando os juros mais baixos que ele oferece desde que haja o repasse no preço oferecido ao consumidor. Esse financiamento terá duas modalidades. Na primeira, o empresário pagará pelo empréstimo uma Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 9,75% mais 4,5% ao ano, caso financie o equipamento (sempre no valor máximo de R$ 1.400) em até 24 prestações a uma taxa máxima de 3% ao mês. Na segunda forma, se o juros oferecidos ao consumidor forem de 2% ao mês, o setor pagará TJLP mais 1% ao ano. Cezar Alvarez disse ainda que as empresas terão seis meses de carência para iniciarem o pagamento do empréstimo ao BNDES.

Segundo Alvarez, o governo continua estudando formas de viabilizar o Programa PC Conectado, que teve suas diretrizes incluídas no Programa Computadores para Todos. Ele disse que a criação de uma tarifa diferenciada por faixa de renda exigiria modificações na Lei Geral das Comunicações que só podem ser feitas por decreto-lei. Para isso, o Ministério da Comunicação, a Agência Nacional das Telecomunicações (Anatel) e a Subsecretaria Jurídica da Casa Civil estão examinando os termos desse decreto. Segundo ele, as companhias operadoras de telefonia fixa já teriam acordado oferecer esse projeto conjuntamente.

Em princípio, o acesso valeria para todo cidadão brasileiro com telefone fixo em casa, que não tenha adquirido um programa de acesso à internet nos últimos seis meses. Ele teria direito a um programa especial de conexão com quinze horas de acesso mensais, não acumuláveis para o mês seguinte, em caso de saldo de horas sem uso. O custo seria de R$ 7,50 mensais por um ano, renovável para mais um ano.

O assessor especial da Presidência da República e coordenador do programa, Cezar Alvarez, explicou a empresários do setor como o governo federal pretende implementar o projeto. Ele participou do 1º Painel A Rede Computador Para Todos – logística, suporte e apoio a 1 milhão de novos usuários, realizado em São Paulo.

 

Agência Brasil, Marcelo Gutierres, 13 de julho de 2005


Veja mais em matéria da Folha de São Paulo: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u18585.shtml
< Anterior
 
Top! Top!